';

VISÃO
 
 
 
Os problemas da floresta Portuguesa têm sido um tema amplamente debatido nos últimos tempos, assumindo esta temática, um papel de preocupação e interesse por parte do estado português.
É consenso que a nossa floresta carece de ordenamento e gestão florestal, No entanto, dado que é caracterizada, na sua maioria, por um excessivo parcelamento fundiário, deparamo-nos com a dificuldade de realizar um ordenamento adequado e uma gestão florestal de uma forma economicamente desejável. Esta situação é agravada, pelo retorno lento do investimento florestal, tornando-o pouco atrativo, bem como pelo crescente aumento dos incêndios florestais e, pela desvalorização dos produtos florestais no mercado.

Nesta conjuntura, resta aos produtores e proprietários florestais unirem-se e organizarem-se, de modo a serem capazes de aumentar a sua produtividade e, consequentemente as suas receitas, diminuir custos, valorizar os aspetos ambientais e sociais das suas áreas florestais, reduzir os dramáticos incêndios florestais e tornarem os seus produtos mais competitivos no mercado nacional e internacional.


Nos últimos anos tem-se assistido ao desaparecimento e degradação de todo o tecido florestal envolvente. Não só devido aos incêndios mas também por abandono e má utilização dos espaços florestais.

Assim a PINEA pretende dinamizar a constituição de agrupamentos florestais por ordem à melhor gestão e defesa da floresta e nomeadamente à gestão conjunta das áreas florestais.